Embora a RCP (reanimação cardiopulmonar) deva idealmente ser feita por indivíduos treinados e certificados como socorristas, pessoas leigas também podem realizar a manobra e fazer uma grande diferença na sobrevida de crianças com parada cardiorrespiratória. Siga esses passos, atualizados pelos protocolos do American Heart Association de 2010, para aprender como fazer a reanimação cardipulmonar em bebês. Para crianças maiores de um ano, siga os protocolos infantis e para adultos, siga protocolo adulto.

RCP em bêbês – Método 1

 

1. Cheque se o bebê está consciente.

A melhor maneira de fazer isso é dar um pequeno estalo ou beliscão no pé do bebê. Se ele não responder e houver alguém por perto, peça que liguem para o serviço de urgência, o SAMU 192, enquanto você avança para o próximo passo. Se você estiver sozinho com o bebê, siga os passos abaixo por 2 minutos (como primeiros socorros) antes de chamar por ajuda.

 

2. Se o bebê estiver consciente, mas engasgando, posicione suas vias aéreas antes de iniciar a RCP.

Os próximos passos irão depender se o bebê estiver respirando ou não:

2.1 Se o bebê estiver tossindo ou engasgando, deixe que ele continue se esforçando para respirar. Esses são bons sinais e significam que as vias aéreas estão apenas parcialmente obstruídas.

 

2.2 Se o bebê não estiver tossindo, você deverá estar preparado para aplicar golpes nas costas ou realizar compressões torácicas, ajudando a desalojar o que estiver obstruindo suas vias aéreas.

 

3. Cheque o pulso do bebê.

Cheque novamente se ele está respirando, e desta vez, posicione seu dedo indicador e o do meio próximo das axilas do bebê, entre a região do cotovelo e o ombro. Este é o lugar para encontrar o pulso braquial. Não gaste mais de 10 segundos tentando encontrá-lo.

 

3.1 Se ele tem pulsação e está respirando, coloque-o na posição de recuperação. Pesquise como colocar alguém na posição de recuperação para informações mais detalhadas.

 

3.2 Se não tiver pulso ou movimentos respiratórios, avance para os próximos passos da RCP, que são uma combinação de compressões e respirações.

 

 

 

 

RCP em bêbês – Método 2

Abra as vias aéreas.

Gentilmente incline a cabeça da criança para trás trazendo o queixo dela para cima, com o fim de abrir as vias aéreas. Essas vias são pequenas, então o movimento não precisa ser drástico. De novo, cheque se ele está respirando, mas não gaste mais de 10 segundos nesse passo.

 

 

Dê duas insuflações pelo bebê.

Se você tiver um dispositivo de máscara para respiração de primeiros socorros, utilize-o para evitar troca de fluidos entre você e o bebê. Feche as narinas da criança, incline a cabeça para trás, erga o queixo e dê duas expirações, cada uma de cerca de um segundo. Faça isso gentilmente até que o tórax expanda. Expirar com muita força pode causar danos pulmonares ao bebê.

Lembre-se de fazer pequenas pausas entre as respirações, permitindo que o ar saia dos pulmões do bebê, completando a respiração.
Se você sentir que o ar não entrou no tórax da criança (caso você não veja movimento torácico durante as insuflações) a via aérea pode estar obstruída e ela pode estar engasgada.

 

Cheque o pulso braquial novamente depois destas primeiras duas respirações.

Se ainda não houver pulso, inicie as massagens cardíacas no bebê.

 

 

Comprima o tórax 30 vezes utilizando vários dedos.

Use dois ou três dedos juntos uns aos outros e coloque-os no meio do tórax do bebê, logo abaixo da linha dos mamilos. Gentilmente e com ritmo, faça 30 compressões.

▪ Se você estiver se sentindo cansado, intercale as compressões com sua segunda mão. Se estiver com a mão livre, utilize-a para segurar a cabeça do bebê estendida.
▪ Tente fazer as compressões em um ritmo de 100 por minuto. Embora esse ritmo possa parecer muito alto, na verdade é um pouco mais de uma compressão por segundo. Ainda assim, com pouco intervalo entre ela, tente afundar o tórax e permitir que ele expanda de volta, tornando a compressão efetiva.
▪ Pressione cerca de 1/3 ou 1/2 a profundidade do tórax do bebê. Isso equivale a cerca de 5 cm

 

 

Repita a mesma série de duas respirações e 30 compressões (ciclos de 30:2) até que o bebê retome a consciência e sinais de vida.

Na velocidade certa, você conseguirá cumprir cinco ciclos em dois minutos de atendimento. Uma vez que iniciar a RCP, você não poderá parar até que:

▪ Você veja sinais de vida (movimentos, tosse, esforço respiratório, vocalização). Vômitos não são sinais de vida;

▪ Outra pessoa treinada assuma o atendimento no seu lugar;

▪ Um desfibrilador externo automático (DEA) esteja pronto para ser usado

▪ A cena se torne insegura repentinamente

 

 

 

Para lembrar os passos da RCP, lembre-se do “ABC.”
Utilize esse mnemônico para lembrar a ordem do atendimento:

A é para Vias Aéreas. Abra as vias aéreas e cheque se estão pérveas.
B é para Respiração (Breathing). Feche o nariz da vítima, incline a cabeça e dê duas insuflações.
C é para Circulação. Cheque se o bebê tem pulso. Se não, faça 30 compressões.

 

 

IMPORTANTE:

  • Não pressione muito o tórax do bebê, com o risco de lesão de órgãos internos e fraturas de grande energia.
  • Expire o suficiente para elevar o tórax, mas sem força, caso contrário poderá romper os pulmões do bebê.

Fonte: Wikihow

Comentários

Comentários